A Paixão de Brutus - Pedro Sá Moraes

Data(s) e Horário(s): 18/01 às 19:00h, 19/01 às 19:00h, 20/01 às 17:00h, 26/01 às 16:00h, 26/01 às 19:00h, 27/01 às 17:00h

Local: Rua Gamboa de Cima 03, Centro (ao lado do Quartel dos Aflitos)

Preço: 20,00 (inteira) e 10,00(meia entrada)

Mais Informações

Pedro Sá Moraes empresta voz e corpo a Cassius, Caska, Brutus, e outros personagens da república romana imortalizados por Shakespeare em seu Julius Caesar. A ideia de adaptar e encenar o clássico inglês do século XVI surgiu para Pedro durante o ano de 2016. Ao reler a peça naquela época, diz o artista, “fiquei comovido de ver o quanto este ensaio sobre conspiração e amizade, ódio político e superstição, é atual e inesgotável em seus questionamentos.”

 

Dirigido pelo premiado ator, dramaturgo e diretor argentino Norberto Presta, o espetáculo A Paixão de Brutus leva a natureza musical e poética da tragédia shakespeariana às últimas consequências. Os diálogos do bardo inglês se desdobram em canções e ritmos de fala e gestos, numa linguagem a que os artistas deram o nome de teatro-canção. “É um modo particular de fazer teatro”, diz Norberto, “e ao mesmo tempo de fazer música, que não é a soma de teatro e música, mas uma experiência artística que abre um território de ressonâncias, de pluralidade, de outros encontros.”

 

A peça é o primeiro fruto de Alternativa-ressonâncias, uma parceria entre os dois, que investiga formas de fazer cênico em que fronteiras de teatro, dança e música se dissolvem. O cenário é de Doris Rollemberg, cenógrafa e professora do departamento de Cenografia da UNIRIO. Doris foi participante da mostra brasileira vencedora do Triga de Ouro na Quadrienal de Praga (2011), e venceu diversos outros prêmios como cenógrafa e diretora de arte.

 

Pedro Sá Moraes começou sua carreira artística como intérprete de samba. Membro da geração-Lapa, ao longo dos anos 2000 compartilhou palco e gravações com mestres do gênero, como Nelson Sargento, Wilson Moreira, Noca da Portela, Elton Medeiros e outros.

 

Desde optar pela dedicação integral à carreira autoral, em 2007, as portas da carreira internacional se abriram em frequentes turnês pela Europa, América Latina, Ásia e América do Norte. Nos Estados Unidos, foi eleito pela NPR como “um dos dez artistas que você deveria ter conhecido em 2012”. Seu primeiro album, Claroescuro, figurou entre os dez melhores discos de World Music de 2010 pelo Boston Globe. O segundo, Além do Princípio do Prazer, foi saudado por Jon Pareles, do NY Times:

 

“Suas melodias, cantadas num barítono caloroso, com ecos de Gilberto Gil, são o aspecto suave. Mas são dispostas sobre arranjos beligerantes (...) que tornam as melodias ainda mais fortes, por sobreviverem aos ataques.”

 

Sá Moraes mantém um envolvimento contínuo com as artes cênicas há mais de dez anos, compondo trilhas sonoras e atuando como performer. Em 2005 e 2006 integrou o duo Corpo Sonoro com o bailarino Henrique Schuller. De 2006 a 2010 foi membro do Coletivo Líquida-Ação, participando de intervenções performáticas em espaços públicos sob direção de Eloísa Brantes. Em 2016, passou três meses nos EUA, num treinamento intensivo no método de ações físicas de Jerzy Grotowsky.

 

Oficina — Na primeira semana de Fevereiro, dias 4 a 7, pelas manhãs, o artista vai conduzir uma oficina de teatro-canção, como parte do Vila Verão. Na Oficina, Pedro vai conduzir músicos, artistas da cena e do corpo, na investigação dos potenciais expressivos da voz cantada.

 

Classificação: Livre

Ficha Técnica

Adaptação, composições e atuação: Pedro Sá Moraes

Direção: Norberto Presta

Cenografia: Doris Rollemberg

Apoio Financeiro

Desenvolvido Por:

WebD2 Desenvolvimento Web